Animação de loading

Parque Biológico da Serra da Lousã desafia imaginação

Concurso para atribuição de nomes às duas crias de lobo ibérico

No Parque Biológico da Serra da Lousã residem 5 lobos, dos quais duas crias nasceram no passado dia 5 de Junho. As crias, dois machos, necessitam de serem batizados e o Parque propõe um “concurso” a todos os visitantes.

O concurso irá desenrolar-se em 3 passos. Inicialmente irá estar presente no Centro de Informação uma tômbola para que todos os visitantes possam sugerir nomes para os lobitos (de 22 de Agosto a 2 de Setembro). De seguida, no dia 3 de Setembro, irá realizar-se um sorteio pelas crianças da Fundação, onde se retirarão 6 nomes sugeridos pelos visitantes. Por fim, esses nomes irão estar disponíveis no Facebook (de 4 de Setembro a 9 de Setembro) e os 2 nomes mais votados serão os seleccionados para o batismo das crias de lobo. No dia 10 de Setembro são conhecidos os  nomes dos dois vencedores.

O Parque Biológico da Serra da Lousã é um dos poucos locais em Portugal onde os visitantes podem conhecer e observar o lobo ibérico.

Neste sentido, o Parque lança o convite a todos os visitantes a participarem no “concurso” de atribuição de nomes dos lobitos.

O Parque Biológico da Serra da Lousã constitui um espaço verde que visa a sensibilização da comunidade em geral para o conhecimento, divulgação e protecção dos nossos habitats naturais e da sua fauna e flora originais.

          O Parque possui hoje  a principal mostra de vida selvagem de Portugal, onde não faltam ursos  e lobos com crias, ligando a biofilía e a defesa da natureza á coesão social e é uma aposta humanista na criação de emprego de pessoas com necessidades especiais valorizando, pelo restaurante Museu da Chanfana, a gastronomia regional.

            À entrada do Parque Biológico uma frase do Papa Bento XVI – “Se quer cultivar a paz proteja a criação” – mostra que se entra num parque temático diferente, onde os valores da cristandade e do personalismo também residem, para além dos aspectos sociais, ambientais e animais.

Comentários