Animação de loading

Fundação ADFP abre as portas aos produtores de vinho Terras de Sicó

Sob a égide da Comissão Organizadora da Comemoração dos 25 anos da sub-região

A convite da Fundação ADFP de Miranda do Corvo, a Comissão Organizadora da Comemoração dos 25 anos da sub-região Terras de Sicó, convidou dez produtores a visitarem a Adega da instituição, na Zona Industrial da Pereira, a maior e mais tecnológica de toda a sub-região.

Tendo como cicerone o Eng.º Gonçalo Moura Costa, membro da Comissão e Enólogo da Fundação, coadjuvado pelo Eng.º Daniel Fernandes, diretor do Parque Biológico, os visitantes não esconderam a surpresa e admiração pela tecnologia da Adega, com laboratório de análises, distribuída por dois pisos, e cave para os vinhos reserva, a envelhecer nas barricas de carvalho americano e francês.

A iniciativa da Comissão, que tem como base a VINISICÓ, que agrega os produtores certificados de vinho IG Beira Atlântico sub-região Terras de Sicó, tem por objetivo fazer em conjunto com os produtores aí associados, um vinho comemorativo dos 25 anos.

Dos dez produtores convidados, compareceram sete: Luís Reis, dos vinhos Encosta da Criveira (Penela), Rui Simões, dos vinhos Casa D’Alfafar (Alfafar), Júlio Dias, dos vinhos JGD (Alfafar), Alexandre Carril dos vinhos Monte Formigão (Podentes), Manuel Alegre, dos vinhos Alegre (Espinheiro), Diana Ventura dos vinhos O Borracho (Espinheiro) e Ramiro e João Rodrigues, dos vinhos Tapada de Sabogos (Miranda do Corvo).

Os restantes 3, Henrique Oliveira dos vinhos Baforeira (Chão de Lamas), Manuel Silva, dos vinhos Vale da Brenha (Alvaiázere) e Ricardo Reis, dos vinhos Lapa dos Reis (Podentes), não puderam comparecer por motivos de força maior, mas também eles, a par da Fundação ADFP, com os vinhos Terra Solidária, farão parte da produção do vinho comemorativo dos 25 anos.

Depois da visita, e com a presença de Jaime Ramos e Rui Ramos, respetivamente presidente do Conselho de Administração e Diretor Executivo da Fundação, passou-se à Sala de Provas, para degustar o tinto Terra Solidária de 2016, acompanhando com queijo de cabra curado, queijo fresco de cabra e ovelha, e chouriço de fumeiro também produzidos na fundação.

Jaime Ramos aproveitou para agradecer a presença dos outros produtores e relembrou algumas dificuldades enfrentadas na produção agrícola e vinícola, devido à morte prematura do Eng.º Pedro Faria e do Eng.º Vítor Araújo.

A nossa área agrícola já tem alguma dimensão, que pode permitir alguns produtos de referência, e assim contribuir para que os vinhos do Sicó cresçam e se valorize.
--Jaime Ramos--

“Nós, os produtores de vinho da Região, não somos concorrentes, mas sim parceiros”, acrescentou referindo que a tecnologia instalada na adega poderá apoiar pequenos vinicultores. Anunciou que pela 1ª vez a Fundação vai produzir um espumante "Aldeias de Xisto", graças também ao Eng.º Antero Silvano, enólogo que já esteve à frente de várias caves, incluindo a Cooperativa de Cantanhede, que é o nosso consultor sénior pro bono, apoiando os Engenheiros Gonçalo Costa e Daniel Fernandes.

Gonçalo Costa informou as áreas e locais das vinhas em Penela e Miranda e também que a Fundação tem vinhas (9 hectares) no Fundão. Jaime Ramos voltou a sublinhar que “somos todos parceiros, amigos, companheiros e não concorrentes” tendo dado como exemplo um refugiado sírio em Penela que quer produzir queijo, e a Fundação admite ceder a sua queijaria para ajudar este empreendedor a iniciar o seu negócio.

Depois foi a vez de Luís Reis, em nome da Associação VINISICÓ “agradecer a possibilidade de estarmos aqui hoje”, gerando-se depois uma troca de impressões entre os produtores presentes.

No final da prova, os vitivinicultores foram convidados para uma reunião de trabalho e um jantar na casa dos produtores Ramiro e João Rodrigues. Nessa reunião foi planeado o processo de trabalho para a criação do vinho comemorativos dos 25 anos ada sub-região.

Tendo em conta que a sub-região foi criada por portaria datada de 11 de Fevereiro, irá ser realizado um jantar vínico dia 17 de Fevereiro, no restaurante Museu da Chanfana, no Parque Biológico da Serra da Lousã.

Comentários