Animação de loading

Visitante 50.000

No Parque Biológico da Serra da Lousã

Dora Cardoso, a visitante 50.000, e Jorge Silva que a acompanhava foram os felizes contemplados com um almoço no Restaurante “Museu da Chanfana”. Este jovem casal da Figueira da Foz teve a oportunidade de saborear alguns dos pratos típicos da região, como a Sopa de Casamento e a Chanfana. Além da refeição, receberam um livre-trânsito duplo de 6 meses para visitar o Parque sempre que pretenderem.


Esta data especial foi também comemorada junto de todos os visitantes, os quais foram presenteados com duas visitas guiadas e com uma voltinha a cavalo ou pónei durante todo o dia 30 de Agosto.
As famílias puderam desfrutar de um belo dia em contacto com a natureza ao mesmo tempo que descobriram algumas das curiosidades acerca dos animais e plantas do nosso país.


Durante os dias 5, 6 e 7 de Setembro o Parque irá desenvolver mais actividades mas, desta vez direccionadas para os mais jovens. Se o seu filho tem entre 7 e 12 anos nada melhor que vir até ao PBSL e participar no 4º Programa de “Férias no PBSL” onde irá encontrar diversas actividades, nomeadamente, Oficinas de Artesanato, Workshop “Ciclo da Água” e Equitação.
 

O Parque Biológico da Serra da Lousã é propriedade da Fundação ADFP – Assistência, Desenvolvimento e Formação Profissional – uma instituição sem fins lucrativos com 23 anos de existência que pretende, através do contacto com a Natureza, estimular o desenvolvimento pessoal e social de pessoas vítimas de exclusão, deficientes e doentes mentais.


Ao visitar o Parque terá a oportunidade de passar um dia inesquecível em família além de apoiar esta causa social. A visita, durante o mês de Setembro, pode ser feita todos os dias entre as 9h e as 18h30.
O Parque Biológico constitui uma importante mostra da vida selvagem portuguesa e ainda de animais das raças tradicionais da agro pastorícia nacional. È possível visitar também o primeiro labirinto de árvores de fruta do mundo e oficinas de artesanato, verdadeiro museu vivo de artes e ofícios tradicionais.

Comentários