Animação de loading

Trata-se do primeiro investimento já destinado ao Hospital Compaixão

Novo posto de transformação abastece Centro Social Comunitário

O Centro Social Comunitário-Sede da Fundação ADFP, após algum breve transtorno em áreas críticas, começou a ser abastecido pelo novo PT, com uma potência de 800 KA, no que é o primeiro investimento já destinado ao Hospital Compaixão, dia 23 de Março.

Este novo PT tem uma parte pública e uma parte privada, substituiu o anterior e já terá capacidade e localização para servir o hospital .

Depois da compra dos terrenos este PT foi o primeiro investimento já destinado ao Hospital. Este novo posto de transformação permite também concluir a construção do Museu do Mel, que será o futuro bar da instituição.

O Hospital Compaixão, hospital dos vales do Ceira e Dueça/Corvo, é o maior

investimento desde há muitos séculos no concelho de Miranda do Corvo, privado, de interesse público, desde a construção do Convento de Semide iniciado no séc. XII.

A previsão para a conclusão do investimento aponta para 2019 e a Fundação ADFP já colocou a concurso público a empreitada de construção do novo Hospital Compaixão. A previsão orçamental para o custo da sua construção aponta para cerca de 4 700 000,00 € e tem uma previsão de custo final superior a 7 milhões de euros.

A Câmara Municipal concederá um apoio de 550 mil euros para a construção civil e 250 mil euros para o equipamento, que será já colocado em fase de obra como todo o equipamento de AVAC (Aquecimento, Ventilação e Ar Condicionado) e SCI (Segurança Contra o Risco de Incêndios).

O Hospital localizar-se-á, num terreno com a área de 9 819.00 m², anexo ao Centro Social Comunitário, complexo com área total de 40.000 m² e onde já existem serviços de saúde, nomeadamente clínica de medicina física e de reabilitação e cuidados continuados de longa e média duração.

Este projeto foi elaborado pelo Gabinete de Engenharia e Património da Fundação ADFP, onde estão integrados colaboradores com necessidades especiais, incluindo duas engenheiras com deficiência.

Comentários