Animação de loading

Refugiados na região de Coimbra esperados a 11/9

Na Fundação ADFP

A Fundação ADFP espera receber no dia 11/09/2015 refugiados, na maioria sírios, transferidos de um campo no Egito.

Estas primeiras cinco famílias, que incluem pessoas com habilitação acadêmica a nível de licenciatura, serão alojadas em Penela. Cada família irá residir em apartamento tipo T3.

Este processo resulta de uma cooperação entre o SEF, serviço de estrangeiros e fronteiras, a Câmara Municipal de Penela e a Fundação ADFP.

Este processo tem vindo a ser tratado há meses mas tem sofrido vários atrasos a nível da organização internacional.

A Fundação tem a postos uma equipa multidisciplinar de acolhimento com intérprete, professora de português, socióloga, psicóloga, enfermeira e técnica social. Nesta equipa de integração há várias nacionalidades: ucraniana, tunisina e portugueses com experiência pessoal de emigração em França.

A Fundação acredita que o multiculturalismo da equipa técnica facilitará um bom trabalho na integração e inclusão.

A Fundação ADFP tem capacidades habitacionais e de equipa técnica para poder receber nos próximos meses até 2 centenas de refugiados, estando disponível para dar o seu contributo para a resolução de um dos problemas que atualmente mais preocupa a Europa e a Humanidade.
A Fundação tenciona colocar os refugiados, nesta primeira fase em Penela e num segundo tempo em Miranda e noutros concelhos da região de Coimbra.

Para estes primeiros 21 refugiados (famílias com bebês, crianças e jovens) já foram feitos contactos para uma rápida integração em creches, pré primária e escolas de Penela. Também o Centro Saúde foi contactado para prestar os cuidados necessários.
Espera-se que as empresas de Penela possam cooperar numa rápida integração laboral dos adultos. Em Miranda a Fundação ADFP adquiriu um prédio com 8 apartamentos tipo T 4, em fase de conclusão, e criou uma residencial com capacidade para trinta pessoas disponíveis para receber refugiados. A Fundação pretende ter respostas habitacionais adequadas, diferenciadas, para casais ou indivíduos e para famílias pequenas ou numerosas. A Fundação pretende criar condições que não se assemelhem a campos de acolhimento desumanizados com elevada concentração, assentes em terrenos onde se colocam tendas ou pré-fabricados. A utilização de pequenos polos, com base em apartamentos iguais aos que a população portuguesa habita, pode ser na opinião da Fundação ADFP, uma estratégia favorecedora de uma integração social com Sucesso.
A Fundação ADFP é uma instituição particular de solidariedade social, sem fins lucrativos, de interesse público que tem como objetivo "Investir em Pessoas com bondade". Tem um passado de 27 ano de inovação social de sucesso apostando na inclusão social e integração de pessoas com diferentes problemáticas sociais. Em várias situações tem sido referida como instituição exemplar na concretização de boas práticas a nível do convívio intergerações e combate à exclusão social.
A Fundação ADFP acredita que uma boa integração dos refugiados evitará criar problemas sociais futuros e permitirá contribuir para o desenvolvimento sustentado de Portugal.



Comentários