Animação de loading

É a primeira vez que visito um lugar tão inclusivo das diferenças culturais

Alta Comissária para a Imigração e Diálogo Intercultural visitou Fundação ADFP

As breves palavras de Rosário Farmhouse, Alta Comissária para a Imigração e Diálogo Intercultural, após uma visita à Fundação ADFP de Miranda do Corvo, dia 25 de Fevereiro, são exemplo da forma como a instituição mirandense a marcou.

"Saio daqui mais rica, até porque há uma grande diferença em conhecer a realidade de perto" e acrescentou "que depois desta visita não serei a mesma pessoa e que olharei para a integração de uma forma diferente"  A Alta Comissária mostrou-se disponível para várias formas de cooperação com a Fundação.

Rosário Farmhouse  afirmou ainda nunca ter estado num local tão perfeito no que respeita a inclusão e integração.

Rosário Farmhouse respondeu assim às palavras do seu anfitrião, Jaime Ramos, presidente do Conselho de Administração, que salientou o trabalho da instituição na área da inclusão e a sua "enorme capacidade de integração social e laboral, através de soluções de grande qualidade com menos recursos".

"A Fundação ADFP encontra-se disponível para todas as formas de colaboração com o Alto Comissariado para a Imigração e Interculturalidade", acrescentou.

Rosário Farmhouse, acompanhada pela sua Diretora do Gabinete de Educação, Formação e Dialogo Intercultural, Cristina Milagre, chegou à sede da Fundação a meio da manhã, onde a esperavam, além de dirigentes e funcionários, várias crianças de origem africana e asiática do Centro Infantil, tendo visitado todas as valências do Centro Social Comunitário, incluindo uma passagem pelo bibliomóvel, que integra a biblioteca itinerante.

A meio da visita, Jaime Ramos levou Rosário Farmhouse ao gabinete de engenharia, onde foi detalhadamente informada sobre o projeto do Templo Ecuménico que a Fundação ADFP vai construir, pioneiro e de grande importância para o diálogo inter-religioso e como tal intercultural.

Centro Infantil, Cinema e Residência Cruz Branca (para mulheres com crianças) antecederam a visita às Oficinas do Museu de Artes e Ofícios Tradicionais, um almoço no Restaurante Museu da Chanfana e uma caminhada através do Parque Biológico da Serra da Lousã, nomeadamente à sua Zona de Vida Selvagem.

Na Fundação ADFP de Miranda do Corvo há 95 pessoas de origem estrangeira, 32 são adultos, sendo 17 utentes e 15 colaboradores, e cinco pessoas (duas utentes e três colaboradoras) de etnia cigana. Na Fundação há também 58 crianças de origem estrangeira, sendo que 49% vivem com as famílias e as restantes estão institucionalizadas.

Comentários