Animação de loading

Dia Internacional para a Tolerância comemorado com um cordão humano vestido de branco

Templo Ecuménico Universalista

O Dia Internacional para a Tolerância foi hoje comemorado com um cordão humano de cerca de uma centena de pessoas em redor do primeiro Templo Ecuménico Universalista do Mundo.

Os valores humanos e a predominância do branco uniram os participantes em redor de uma causa – a Tolerância à diferença com vista à Paz no Mundo.

A participação não tinha idade, género, doença, limitação, nacionalidade, religião ou etnia... De mãos dadas em redor do templo, todos se uniram numa ação fraterna, onde a diferença pouco ou nada importava.

Crianças, jovens, idosos... utentes, dirigentes, comunidade... emigrantes e imigrantes... cristãos e muçulmanos... pessoas diferentes, unidas para um pequeno momento, mas num grande contributo para a cultura de Paz e de Tolerância.

A iniciativa da Fundação ADFP foi organizada no âmbito da valência de Formação Profissional, por Marise Oliveira, e Nancy Rodrigues, do Clube UNESCO Trivium.

Recordamos que a Fundação ADFP apoia regularmente 3400 pessoas, das quais 460 são residentes. Integra crianças, jovens, pessoas com deficiência, doença mental, mães vítimas de maus tratos, idosos e refugiados, em valências sociais, saúde e educação.

“O entrelaçar de diferentes mãos em redor do templo ecuménico é potenciar a tolerância e as sinergias que permitem criar talentos e desenvolver aptidões entre iguais", referiu Fernando Marques, coordenador da Formação Profissional.

O Templo é um espaço de reflexão e de diálogo entre as várias religiões, incluindo os ateus e agnósticos. Dentro de meses inaugurará um Observatório das várias Religiões, onde o visitante poderá saber mais sobre as principais religiões do Mundo, e confrontar-se com imagens das principais e mais sangrentas guerras religiosas.

1º Templo Ecuménico e Universalista da Europa foi inaugurado a 11 de setembro

O primeiro Templo Ecuménico e Universalista da Europa situa-se no topo da colina do Parque Biológico da Serra da Lousã e com vistas para os concelhos circundantes de Lousã, Vila Nova de Poiares, Penela e Coimbra.

O edifício configura uma pirâmide de base quadrangular, integrada numa vasta área florestal, e com uma envolvente repleta de símbolos e representações das várias religiões.

A pirâmide tem a altura de 13,40 m igual à dimensão do Templo de Salomão, construído no séc. XI AC, em Jerusalém.

Na envolvência do edifício, uma espiral de sete voltas sugere numa analogia aos percursos e dificuldades que enfrentamos na vida. O Pátio dos Gentios, conceito criado pelo Papa Bento XVI em alusão ao diálogo inter-religioso aberto aos ateus e agnósticos. Próximo, um cubo, com uma bola de pedra a girar no topo, sobre água, onde se lê: "contudo ela move-se", a célebre frase atribuída a Galileu, numa referência ao positivismo científico e à abertura a um futuro absoluto, não prisioneiro de ideologias ou crenças, onde tudo e todas as possibilidades são possíveis.

Uma imagem de Buda e depois uma mesa da igualdade, circular, numa homenagem aos Siks, que incluem nos seus atos religiosos uma refeição partilhada por todos, indiferentes às classes sociais.

Foi inaugurado no passado dia 11 de setembro, na presença de vários líderes religiosos e do Ministro Adjunto, Eduardo Cabrita, e a Secretária de Estado para a Cidadania e Igualdade, Catarina Marcelino. A estes juntaram-se centenas de convidados e populares.

Trivium: Parque Biológico da Serra da Lousã, Espaço da Mente e Templo Ecuménico Universalista

O Templo integra o conceito filosófico Trivium, a par do Parque Biológico da Serra da Lousã e do Espaço da Mente, e que dá nome a um Clube UNESCO desenvolvido entre a Fundação ADFP e a Comissão Nacional da UNESCO.

O Trivium é dedicado à liberdade, igualdade e fraternidade: o Parque Biológico representa o corpo e a igualdade do Homem perante todos os seres vivos; o Espaço da Mente, o desenvolvimento da mente e a liberdade de pensar e o Templo Ecuménico que representa, independentemente da fé de cada um, o espírito e a fraternidade.

Salientamos que o projeto Parque Biológico da Serra da Lousã / Templo Universalista, foi escolhido em 2014, para representar Portugal no Prémio Internacional da UNESCO “MADANJEE SINNGH” para a promoção da tolerância e não violência.

Comentários