Animação de loading

Parque Biológico da Serra da Lousã e Templo Ecuménico Universalista recebem visitante número 320 mil com casal de Almada

O Parque Biológico da Serra da Lousã e o Templo Ecuménico Universalista receberam no dia 26 de agosto o seu visitante número 320 mil.

28 Agosto 2020 | Turismo

O casal Patrícia e Pedro, vieram passar uns dias à região e descobriram o Parque e Templo como um dos pontos tops a visitar na região. Escolheram fazer o programa completo, ficando instalados no Hotel Parque, fazer um batismo de equitação e ainda a experiência “Tratador por um dia”, alimentando os animais do Parque Selvagem com a bióloga.

Como celebração por ser a visitante 320 mil deste projeto, foi oferecido um bilhete família para visitar o Parque Biológico e o Templo Ecuménico!

Afirmando-se com dois dos principais atrativos turísticos da região, o Parque Biológico e o Templo Ecuménico, que em conjunto com o Ecomuseu Espaço da Mente formam o Trivium, recebem mensalmente milhares de pessoas que vêm conhecer aquela que é a maior amostra de fauna e flora selvagem de Portugal e um local único no mundo de tolerância e reflexão.

O Parque Biológico divide-se entre a Quinta Pedagógica e o Parque Selvagem onde podem ser visitados vários museus e observar de perto várias espécies de aves de rapina, ursos pardos, linces, lobos, raposas, javalis, veados, entre muitos outros animais. O principal objetivo do Parque é a promoção da biofilia e a sensibilização dos seus visitantes para a biodiversidade existente no país e para os fatores que ameaçam a sua sobrevivência.

O Templo Ecuménico Universalista é um monumento destinado à reflexão espiritual de pessoas de diferentes religiões. Aberto a não crentes, promove valores fundamentais da humanidade e das religiões, como a Verdade, a Bondade e a Moral. O Templo é um monumento dedicado à Paz que homenageia as vítimas dos fundamentalismos e da intolerância religiosa. Integra um Observatório das Religiões que disponibiliza ao visitante factos, dados cronológicos e informação sobre a história e evolução de 15 visões religiosas.

 Propriedade da Fundação ADFP, instituição de solidariedade social sem fins lucrativos com sede em Miranda do Corvo, estes investimentos seguem uma lógica de integração e cerca de 30% dos trabalhadores sofrem de algum tipo de doença, deficiência física ou mental. A instituição apoia mulheres/mães em situação de pobreza, crianças, jovens e adultos com deficiência ou doença mental, idosos doentes em fim de vida, refugiados, pessoas “sem-abrigo”. A Fundação tem vindo a investir nas áreas do turismo e agricultura contribuindo para o desenvolvimento regional e para a sustentabilidade das suas atividades sociais.

Localizados a menos de 20 minutos da cidade de Coimbra e da belíssima aldeia do Gondramaz, no centro do triângulo criado por Conimbriga e pelos castelos de Penela e Lousã, o Parque Biológico e o Templo são servidos por uma unidade Hoteleira – o Hotel Parque Serra da Lousã, e também pelo Restaurante Museu da Chanfana. Junto ao Parque existe também uma Loja de Artesanato. A proprietária detém ainda uma outra unidade hoteleira 4* na vila de Condeixa – Conímbriga Hotel do Paço.