Animação de loading

Espaço da Mente é um museu de VALORES

Em vésperas de Natal

A partir da próxima semana, o Espaço da Mente inicia a decoração de Natal com o contributo dos formandos da Fundação ADFP, vigilantes e visitantes do Parque Biológico da Serra da Lousã.

Alunos e monitores da Formação Profissional criaram uma árvore “original”, que será enriquecida pelo contributo de cada um para a sua decoração.

A árvore é composta por um conjunto de ramos inertes, sem folhas, onde cada visitante pendurará uma mensagem em alusão aos Direitos Humanos, Dia Internacional a comemorar no dia 10 de dezembro.

O maior colorido será a humanidade colocada em cada mensagem.

Esta árvore pretende representar a liberdade de expressão de todos, sem descriminação, e num contributo para uma causa comum.

Testemunhamos diariamente os direitos individuais serem violados com atos de intolerância e falta de respeito pelo próximo. O Homem deve olhar para o seu par não pelo que o difere, mas pelo que o aproxima. Valorizar aquilo que ele sabe fazer em detrimento da sua incapacidade ou “defeito”.

O Espaço da Mente é um museu, um espaço onde se fomenta o sentimento comunitário, mas mais importante é a especial atenção que dá aos valores humanos. Os vigilantes, tal como os trabalhadores do parque temático, são pessoas especiais, com mérito e conquistas que vão para além da incapacidade. São utentes/colaboradores de medidas de emprego protegido e Centro de Atividades Ocupacionais.

A coleção é a materialização da liberdade do Homem ao logo do tempo... de amar, de pensar, de expressão, de imprensa, de religião, de crer ou não crer. Sem liberdade não há evolução, e a espécie e vida humana perde sentido.

A Fundação ADFP é uma organização que fomenta na sua atividade e investimento a prática dos valores humanos, como é o caso do Templo Ecuménico Universalista que inaugurou no passado dia 11 de setembro. O primeiro templo do Mundo aberto a crentes de todas as religiões e ateus, contemplando um espaço espiritual, local de oração, e um observatório de religiões (ainda em construção), com informações sobre todos os credos do Mundo.

Esta iniciativa foi organizada no âmbito do Clube UNESCO Trivium, em colaboração com a valência de Formação Profissional da Fundação ADFP.

Sobre a valência de Formação Profissional

A área da Formação Profissional para pessoas com necessidades especiais foi a actividade fundacional da ADFP. Uma área com grande abrangência e diversidade de respostas, com especial incidência nas pessoas portadoras de deficiência ou com problemáticas de integração social.

A ADFP pretende contribuir para um aumento da qualidade de vida e do exercício pleno da cidadania, facilitando o acesso ao emprego para todos. Promove a igualdade de género e de oportunidades, que, no seu entender, deve nortear uma comunidade saudável e solidária.

Apoia ​65 formandos ​em percursos formativos de 3600 horas e que conferem dupla certificação - escolar e profissional, ​32 Trabalhadores em emprego ​apoiado (enclave), ​20 trabalhadores em empresas de inserção, ​para além de vários estágios profissionais para pessoas com deficiência e/ou doença mental, estágios emprego​ para jovens qualificados e/ou recém licenciados.​

​Para, além disso, uma componente associada e de enorme relevância, temos diariamente ​mais de uma centena de utentes em actividades ocupacionais​, em muitos casos​ remunerados com um prémio de produtividade.

Clube UNESCO Trivium:

Em 2015, a Fundação ADFP criou o conceito filosófico Trivium, e que dá nome a um Clube UNESCO desenvolvido entre a organização e a Comissão Nacional da UNESCO, e que integra o Parque Biológico da Serra da Lousã, o Espaço da Mente e o futuro Templo Ecuménico Universalista. O Trivium é dedicado à liberdade, igualdade e fraternidade: o Parque Biológico representa o corpo e a igualdade do Homem perante todos os seres vivos; o Espaço da Mente, o desenvolvimento da mente e a liberdade de pensar; o Templo Ecuménico representa o espírito e a fraternidade, independentemente da fé de cada um.

A construção de um Templo ecuménico universalista constitui a demonstração desta atitude da ADFP na promoção de uma sociedade mais humanista assente nos valores que transformaram a Europa num melhor local para se viver. Salientamos que o projeto Parque Biológico da Serra da Lousã / Templo Universalista, foi escolhido em 2014, para representar Portugal no Prémio Internacional da UNESCO MADANJEE SINNGH para a promoção da tolerância e não-violência.

Em 2016, o Parque Biológico da Serra da Lousã, com o Espaço da Mente, recebeu o Prémio Acesso Cultura Integrado, primeiro prémio na vertente acessibilidade social, intelectual e física, atribuído pela Associação Acesso Cultura.

Comentários