Animação de loading

Acesso Cultura distingue Parque Biológico da Serra da Lousã/ Espaco da Mente Ecomuseu com primeiro prémio

Parque Biológico da Serra da Lousã/Espaco da Mente Ecomuseu

O Parque Biológico da Serra da Lousã/ Espaço da Mente Ecomuseu recebeu em Lisboa o primeiro Prémio Acesso Cultura Integrado – acessibilidade física, social e intelectual.


Embora candidato apenas à categoria de Acessibilidade social, foi considerado pelo júri um projecto referência de boas práticas na promoção da melhoria de condições de acesso aos espaços culturais e à oferta cultural em Portugal, em todas as vertentes da distinção.


"Foram as práticas de “excelência de integração e de acessibilidade social” que valeram ao Parque Biológico da Serra da Lousã o prémio Acesso Cultura de Acessibilidade Integrada (física, social, intelectual).", revelou um dos elementos do júri.


Foram distinguidos, também, o Grupo Dançando com Diferença do Funchal na categoria de Acessibilidade Física, Comédias do Minho e Sociedade Artística de Pousos em Leiria, ambos na categoria de Acessibilidade Social. Entre as Menções Honrosas estavam a Orquestra de Percussão de Águeda, a Fundação Serralves, Aldeias Artísiticas, Museu de Leiria, Orquestra de Câmara Portuguesa e Parque de Sintra Monte da Lua.


Acesso Cultura, Associação Cultural é uma organização sem fins lucrativos sediada em Almada, composta por profissionais da cultura e pessoas interessadas nas questões de acessibilidade. Em 2014 lançou este prémio para distinguir, divulgar e promover entidades e projetos que se diferenciam pelo desenvolvimento de políticas exemplares no âmbito da cultura.


O Juri que decidiu pela distinção do Parque Biológico da Serra da Lousã entre as 38 candidaturas apresentadas era composto por Ana Garcia, especialista em Turismo Acessível e membro da Direcção da ENAT – European Network of Accessible Tourism, Graça Santa-Bárbara, museóloga, responsável pela Comunicação do Museu Nacional dos Coches e Marta Silva, bailarina e directora do Largo Residências.


O Presidente do Conselho de Administração da Fundação ADFP, Jaime Ramos, e Nancy Rodrigues, responsável pelo Espaço da Mente,foram esta sexta-feira, dia 17, ao Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado em Lisboa receber este prémio. Este é mais um prémio nacional para o galardoado Parque Biológico da Serra da Lousã que agora com o Espaço da Mente associa a biologia e a promoção da biofilia uma visão cultural da região onde se insere. Com a construção do Templo Ecumênico Universalista cuja inauguração está programada para 11/ setembro o conjunto com Espaço da Mente Ecomuseu e Parque Biológico da Serra da Lousã ganha uma nova dimensão com uma visão espiritual.



Sobre o Parque Biológico da Serra da Lousã

O Parque Biológico da Serra da Lousã é um parque temático que associa a biofilia, o património natural e cultural da região, e o turismo, à inclusão laboral de pessoas com deficiência, doença mental e desempregados de longa duração, promovendo uma vida socialmente útil como forma de terapia.

Integra a mais completa coleção de Vida Selvagem Nacional, Quinta Pedagógica de Raças Portuguesas com Centro Hípico, Reptilário, Labirinto de Árvores de Fruto – único no Mundo, Museu Vivo de Artes e Ofícios Tradicionais com oficinas de artesanato e loja, Espaço da Mente, Ecomuseu, Museu da Tanoaria, Restaurante Museu da Chanfana e Hotel Parque Serra da Lousã 4*. Está em construção um Templo ecuménico universalista, e brevemente em funcionamento um fumeiro e queijaria. Desde a abertura do Parque em 2009 já recebeu mais de 180 000 visitantes.

É um inovador “negócio social” destinado a criar postos de trabalho para pessoas vítimas de exclusão laboral e com deficiência ou doença mental. Emprega e ocupa cerca de 75 pessoas com necessidade especiais.



+ Espaço da Mente

Em 2015, a Fundação ADFP inaugurou o Espaço da Mente, um ecomuseu etnográfico que homenageia a necessidade de liberdade do Homem, que, enquanto espécie, difere das outras pela capacidade de materializar o pensamento.



A liberdade permitiu ao Homem evoluir e capacitar-se de ferramentas que permitiram a sua adaptação ao meio. A primeira evocada é a liberdade de amar e a última, de alma. Neste percurso apresentam-se as liberdades mais comuns: liberdade política, de pensamento, de imprensa, de religião, entre outras.



A Fundação ADFP criou o conceito filosófico Trivium, e que dá nome a um Clube UNESCO desenvolvido entre a organização e a Comissão Nacional da UNESCO, e que integra o Parque Biológico da Serra da Lousã, o Espaço da Mente e o futuro Templo Ecuménico Universalista. O Trivium é dedicado à liberdade, igualdade e fraternidade: o Parque Biológico representa o corpo e a igualdade do Homem perante todos os seres vivos; o Espaço da Mente, o desenvolvimento da mente e a liberdade de pensar; o Templo Ecuménico representa o espírito e a fraternidade, independentemente da fé de cada um.



A construção de um Templo ecuménico universalista constitui a demonstração desta atitude da ADFP na promoção de uma sociedade mais humanista assente nos valores que transformaram a Europa num melhor local para se viver. Salientamos que o projeto Parque Biológico da Serra da Lousã / Templo Universalista, foi escolhido em 2014, para representar Portugal no Prémio Internacional da UNESCO MADANJEE SINNGH para a promoção da tolerância e não violência.



Prémios e Reconhecimentos

2004 – Portugal esteve pela primeira vez representado em equitação adaptada nos Paralímpicos de Atenas com uma equipa do Centro Hípico da ADFP, localizado no Parque Biológico da serra da Lousã.



2007 – 1º Prémio Nacional na Categoria de investimento Humano do European Enterprise Awards, IAPMEI, Ministério da Economia, para o Projeto Quinta da Paiva/Parque Biológico da Serra da Lousã. Representamos Portugal na competição a nível europeu.

2012 – Prémio de 75 mil euros atribuído pela EDP Solidária, para a realização de um Fumeiro e Queijaria no Parque Biológico da Serra da Lousã, na lógica de integração de pessoas portadoras de deficiência e doença mental.

2012 – 1º Prémio Damião de Góis, de empreendedorismo social, no valor de 10 mil euros, atribuído pela Embaixada do Reino dos Países Baixos e Instituto Português de Corporate Governance, ao Parque Biológico da Serra da Lousã.

2012 - 1º Prémio Nacional Hospital do Futuro, ao Projeto Parque Biológico da Serra da Lousã, categoria Serviço Social.

2013 – 1º Prémio Cooperação e Solidariedade António Sérgio, ao Projeto Parque Biológico da Serra da Lousã, na categoria de Boas Práticas, atribuído pela Cooperativa António Sérgio para a Economia Social.

2014 – Menção Honrosa do Prémio INSEAD, atribuído pela INSEAD - The Business Scholl for the World (Portugal) ao Dr. Jaime Ramos, Presidente do Conselho de Administração, enquanto empreendedor social no projeto Parque Biológico da Serra da Lousã.

2014 – O Parque Biológico da Serra da Lousã com Templo Ecuménico universalista, referenciado pela Comissão Nacional da UNESCO como candidato ao Prémio UNESCO-Madanjeet Singh para a Promoção da Tolerância e da Não-Violência.

2015 - 1º Prémio de Inovação Social, para o projecto “Mãos Cheias de Saberes e Sabores. Queijaria e Fumeiro” na vertente Sustentabilidade, do concurso “Mãos Dadas – Comunidade e Solidariedade no Feminino”, atribuído pela APGICO (Associação Portuguesa de Criatividade e Inovação) e pela SIUP (Soroptimist Internacional União de Portugal).

2016 – 1º Prémio Acesso Cultura, atribuído pela Acesso Cultura - Associação Cultural, nas categorias de acessibilidade física, social e intelectual.

Comentários