Animação de loading

Festa de Natal da área da deficiência e saúde mental

Com um variado programa de entretenimento e participação dos utentes e familiares

11 Janeiro 2019 | Social, Deficiência, Saúde Mental, Eventos

A Festa de Natal da Saúde Mental, valência da Fundação ADFP de Miranda do Corvo, animou e alegrou muito, com os vários números do programa onde os cerca de 120 utentes também participaram, dia 11 de Dezembro, no Salão de Festas do Centro Social Comunitário.

Foi o grupo de cavaquinhos TIROLIRO da APOSENIOR (Universidade Sénior de Coimbra) a iniciar a festa com a conhecida música Tiro-liro-liro, que logo de início despertou a atenção de todos os utentes, colaboradores e dirigentes presentes.

Logo a seguir, um grupo de utentes e a D. Anabela Coutinho leram o poema Menino Jesus e atuaram na peça de teatro A Rena Rodolfo, com muitos aplausos. Depois o momento do mágico ZEMAN, com um espetáculo de magia que despertou a atenção das pessoas que enchiam o Salão de Festas.

O grande intérprete do reportório de Zeca Afonso, o nosso César Jesus, um invisual com uma voz portentosa, que interpretou temas natalícios: Noite Feliz, Pinheirinho, Alegrem-se os céus e a terra e Natal de Elvas. A ele juntou-se um grupo de utentes da Residência Esperança para o célebre tema A Todos um Bom Natal.

A satisfação imperou entre os utentes que todos juntos cantaram os parabéns a Rui Delgado.

A festa terminou a meio da tarde, com um lanche partilhado, tendo as prendas de natal sido entregues nas Residências dos utentes.

Fundação ADFP, Marca Inclusiva

Em 2017 a Fundação ADFP recebeu o estatuto de “Marca Inclusiva” atribuído pelo Instituto do Emprego e Formação Profissional, preenchendo todos os requisitos para ser considerada uma entidade empregadora inclusiva.

Para a atribuição deste estatuto contribuíram os números da Fundação ADFP, nomeadamente na empregabilidade, e em especial em grupos com desvantagem e que habitualmente não têm lugar no mercado de trabalho regular.

Uma percentagem elevada de colaboradores são pessoas vítimas de deficiência, incapacidades ou doença mental grave.

No total são 222 colaboradores especiais, e muitos são chefes e diretores de serviços, desempenhando funções ao mais alto nível da hierarquia.

Alguns licenciados (contabilista, economista, gestor, psicólogas, etc.), pro situação congénita ou vítimas de acidente, foram reabilitados na instituição e, após formação profissional, interna, assumiram a liderança de importantes serviços na organização.

Toda a área financeira (contabilidade, gestão de projetos, aquisições e economato) é assumida por colaboradores com desvantagens.