Animação de loading

Desfile de moda Inclusivo

Fundação ADFP promoveu no jardim do Hotel Parque Serra da Lousã

A Fundação ADFP de Miranda do Corvo organizou um invulgar desfile de moda no jardim do Hotel Parque Serra da Lousã.

46 utentes com idades entre os 9 meses e os 62 anos de idade, das várias valências sociais da Fundação, desfilaram na passerelle vestindo guarda roupa e calçando sapatos das lojas PINK, Isadora, Bê-Tê, Sapataria 2000 e Lar Doce Lar.

Os penteados estiveram a cargo dos profissionais do Cabeleireiro Carmelita e a maquilhagem profissional da responsabilidade de Rita Salomé. A decoração foi pela loja DCoração.

O evento, organizado pelo GIP (Gabinete de Inserção Profissional Inclusivo), em parceria com o CLDS 3G + Trilhos do Futuro e Hotel Parque Serra da Lousã, teve a presença de um público interessado, com centenas de pessoas a aplaudirem os “modelos “.

Estas centenas de pessoas foram atraídas por um desfile com características únicas, com um objetivo inclusivo e Solidário.

Isso mesmo salientou Jaime Ramos, presidente do Conselho de Administração da Fundação ADFP, agradecendo a presença de intervenientes, parceiros e público, e considerando que “isto que aqui se está a fazer hoje constitui mesmo uma ocasião muito, muito bonita”.

Numa intervenção muito breve, Jaime Ramos salientou também o papel da Fundação no seu apoio a crianças, jovens, pessoas com deficiência ou doença mental, refugiados e sem-abrigo.

A apresentar o desfile, estiveram José António Crespo de Carvalho e Diana Raquel Francisco, ambos colaboradores da Fundação ADFP elegantemente vestidos pelas Galerias Bê-Tê.

Esta passagem de modelos foi bastante esclarecedora quanto à política de integração da Fundação para cidadãos com diversos níveis de handicap.

Este evento, que muitos dos presentes, lojas incluídas, gostaria de ver repetido mais vezes, contou com um público entusiasta que não se cansou de aplaudir o desfile destes manequins muito especiais.

A Fundação ADFP apoia regularmente cerca de 3400 utentes, dos quais 480 são residentes. Tem uma força de trabalho remunerado de cerca de 573, incluindo utentes em atividades ocupacionais, formação profissional e desempregados em CEI, das quais 39% tem deficiência/ doença crónica, 18% pertencentes ao quadro, alguns a desempenhar funções de topo, incluindo voluntários sem qualquer tipo de prémio e voluntários com prémio de bolso, o número ultrapassa os 860 colaboradores regulares.