Animação de loading

Cerimónia de criação do Centro Internacional de Acolhimento pelo OIDH

No Dia Internacional da Tolerância e no Templo Ecuménico Universalista

Foi no Dia Internacional da Tolerância que se realizou no Templo Ecuménico Universalista de Miranda do Corvo, a cerimónia de criação do Centro Internacional de Acolhimento pelo Observatório Internacional dos Direitos Humanos (OIDH).

Na cerimónia estiveram Luís Andrade, presidente do OIDH, Jaime Ramos, presidente do Conselho de Administração da Fundação ADFP, Rui Ramos, diretor Executivo, Nancy Rodrigues, do Gabinete de Imagem e Parcerias e Andreia Antunes, do CAO, que a organizou, e cerca de 50 pessoas, entre utentes e convidados.

Luís Andrade leu o documento que entregou a Jaime Ramos o título de Diretor-Geral do Centro Internacional de Acolhimento do OIDH e a Nancy Rodrigues, o título de Secretária-Geral.

“O OIDH com a sua sede mundial em Portugal, atribui à Fundação ADFP de Miranda do Corvo o Centro Internacional de Acolhimento do OIDH para a promoção da Paz no Mundo e bem comum da humanidade”, afirmou Luís Andrade, lendo o título de atribuição.

“Os altos valores e princípios morais que norteiam a Fundação ADFP fazem com que esta Entidade de Excelência defenda convictamente a Dignidade da Pessoa Humana, através do consignado na Declaração Universal dos direitos Humanos”, prosseguiu.

“Esta representação da OIDH, sustentada nos seus Estatutos, tem o objetivo primordial de promover a Paz no Mundo, no âmbito da cidadania global”, continuou, acrescentando que “numa perspectiva transgeracional assente na cidadania ativa e na solidariedade humana, o Centro Internacional de Acolhimento do OIDH, tem como missão procurar contribuir para um mundo melhor, trabalhar em prol de todos os que compõem a vida em sociedade, tendo sempre como principal preocupação os mais desfavorecidos, e os que mais sofrem”.

“Consubstanciando nas virtudes desta participação cívica, este Centro Internacional de Acolhimento do OIDH, visa promover de forma responsável, um maior grau de consciência e práticas de cidadania, no que concerne à resolução dos problemas que afetam a Humanidade”, concluiu. 

Jaime Ramos agradeceu o reconhecimento do OIDH à Fundação ADFP, “não minha nem à Drª Nancy, mas sim a toda a obra da instituição”, apelando à “procura de caminhos, seja de uma religião ou outra, entre os menos cultos ou os mais intelectuais, para promover a Dignidade Humana”.

“Este reconhecimento à Fundação, num local cheio de significado, é um grande momento de respeito pelo diferente e pela tolerância, de pessoas que são diferentes, para vivermos num Mundo de Paz, em que as religiões convivam umas com as outras”, salientou.

Jaime Ramos referiu ainda que “temos para nós que a verdade do outro também é respeitada”, e o “estarmos num Templo Ecuménico que apela à Paz e aos Direitos Humanos numa nova sociedade”.

O líder da Fundação ADFP e agora Diretor-Geral do Centro de Acolhimento Internacional do OIDH de Miranda do Corvo, Jaime Ramos, concluiu agradecendo todos, pela comunidade, pela família, pelos deveres e direitos, e para que não esqueçamos os valores”.