Animação de loading

Fundação ADFP comemorou com programa de atividades

Dia Mundial da Saúde Mental.

 A Fundação ADFP de Miranda do Corvo assinalou o Dia Mundial da Saúde Mental com um vasto programa de atividades para cerca de 130 utentes, dia 10 de Outubro, no Salão de Festas do Centro Social Comunitário.

Para além de uma visita ao Parque Biológico da Serra da Lousã, na festa realizaram-se jogos tradicionais e atividades de animação como o Bowling, Malha, Lencinho, jogo da pancada no guizo, jogo das bolachas, um Mural onde os utentes exprimiam as suas sensações e uma caça ao Tesouro.

 Após um pequeno lanche convívio às 10h00, houve karaoke, e antes do almoço, a bióloga do parque, Rita Travassos, fez uma apresentação dinâmica dos animais da fauna portuguesa ali representados. Foi também contada uma história envolvendo os animais do parque, seguindo-se um baile animado durante a tarde.

Nestas comemorações estiveram envolvidos os 80 utentes provenientes do Lorvão e de Arles, sendo os restantes para utentes do CAO (Centro de Actividades Ocupacionais), UVA (Unidade de Vida Apoiada) e Lar Residencial.

 Mais de quatro dezenas estão instalados em oito apartamentos tipo T3 (Residência Esperança). As pessoas com idade acima dos 75 anos, estão integradas numa resposta tipo lar de idosos e alguns com deficiência motora, amputados e/ou em cadeiras de rodas, numa residência adaptada às suas limitações (Residencial Coragem). Os doentes com maior nível de dependência em consequência da doença mental estão instalados na Residência Igualdade, para transmitir a todos que podemos ser muito diferentes, mas sempre igualmente pessoas merecedoras de todo o carinho e apoio.A instituição está a concluir as obras de reabilitação da Residência Cruz Branca onde poderá vir a  alojar outros utentes.

 

Respostas sociais em três freguesias do concelho

 

Todas estas respostas integram-se no concelho de Miranda do Corvo, nas freguesias de Miranda, Rio-de-Vide e Semide.

Estes investimentos da Fundação ADFP, importantes ao nível do apoio aos mais necessitados entre os necessitados, têm também a virtualidade de criar trabalho e oportunidades para desempregados e jovens recém-licenciados.

A Fundação ADFP, com estas respostas criou 40 postos de trabalho, na lavandaria, transportes, secretaria, cozinha, auxiliares de serviços gerais, empregados de quarto e enfermaria, vigilantes, animadores, enfermeiros, técnica de serviço social, psicóloga. Os doentes têm ainda consultas médicas semanais de clínica geral e de psiquiatria, incluindo regime de chamada diariamente.

Ao longo dos anos a Fundação ADFP tem assumido a missão de investir em respostas de saúde e sociais adequadas às necessidades das pessoas com doença mental grave. Assim, decidiu colaborar com o SNS e com o CHUC (Centro Hospitalar da Universidade de Coimbra) com o objectivo de pôr fim aos internamentos hospitalares do tipo asilar, com grades nas janelas e portas fechadas, inaceitáveis numa sociedade humanizada segundo os padrões europeus.

Prestes a completar 25 anos ao serviço da solidariedade, a Fundação ADFP, não só adquiriu larga experiência no âmbito do apoio à doença mental, como tem sido inovadora na humanização dos cuidados a doentes mentais graves, investindo na sua integração e reabilitação.


 

Comentários