Animação de loading

Tem canal de tv no You Tube com produção “Mentes Brilhantes”

A Matemática dos Pequenitos do Centro Infantil de Miranda do Corvo

Ver a Matemática ser tratada como bicho papão é uma constante, mas graças ao projeto “Mentes Brilhantes”, da Fundação ADFP, que introduz novos conceitos no seu ensino e aprendizagem, está-se a mudar de paradigma, de tal forma que a disciplina já tem um canal de televisão no You Tube, o Matemática TV.

Colaboradora da Fundação ADFP, a professora de matemática Rosa Henriqueta é a realizadora destes pequenos filmes-aulas, com produção do “Mentes Brilhantes”, em associação com iMovie. Os alunos sentem não entender a importância da matemática, os pais desculpabilizam os resultados menos bons dos filhos porque eles também sentiram as mesmas dificuldades e os professores das outras disciplinas já estão habituados a esta realidade”, afirma Rosa Henriqueta.

Sendo a Matemática uma das disciplinas em que os alunos sentem mais dificuldades ao longo do seu percurso escolar, também as educadoras as sentem.

Um inquérito da Universidade do Porto refere que a Matemática continua a figurar entre as áreas em que os educadores de infância dizem sentir mais necessidade de formação. Esta área já tinha sido identificada como prioritária num outro estudo desenvolvido pela mesma universidade em 2006.

“Mudar atitudes e comportamentos é muito difícil, mas não impossível. Fazer parte da equipa do Mentes Brilhantes e trabalhar a Matemática com meninos de cinco anos do Centro Infantil fez-me refletir e tirar algumas conclusões sobre esta matéria”, sublinha a professora Rosa Henriqueta.

Desde logo, ressalta o gosto que estes meninos têm em participar nas sessões, em conhecer conceitos novos, trabalhados de maneira divertida e informal, mas sem desprezar o rigor matemático na resolução dos problemas. Mais importante do que saber “de cor” alguns desses conceitos e operações matemáticas que, não raras vezes, constituem o principal foco da atenção de pais/educadores (“o meu filho já conta até 10”, “Quanto são dois mais dois?”, etc...), é a criação de uma estrutura cognitiva sólida que leve os educandos à adequada compreensão desses elementos. Para isso, a tónica não deve ser posta numa comunicação meramente informativa, mas numa lógica reflexiva que apele ao desenvolvimento de pressupostos basilares.

É voz comum, todos o reconhecerão, que muitos dos problemas relacionados com o ensino da matemática têm a ver com a falta dessa infraestrutura. Já todos ouvimos a pais, alunos e professores o “faltam bases”. É uma realidade constante! A causa? “Decerto haverá muitas e, em consequência, muitas são as respostas dadas. A minha é uma resposta simples: não se pode construir um edifício assente em “pés de barro”, nem se pode construir um andar sem que o outro esteja sólido. Mais, o edifício da Matemática é multidisciplinar, terá sempre “andaimes” a partir dos quais tem que ser trabalhado em relação com outros saberes e a realidade”, reflete Rosa Henriqueta, que dá um exemplo:

“2+2=4”: simples, não é? E “373735-373731=4”? Será igualmente simples? O mero “2+2=4”, na sua aparente simplicidade, não deixa de pressupor um conjunto de bases – tais como, “quantidade”, “reconhecimento numérico”, “significação numérica”, “operações numéricas” – que muitas vezes é olvidado em detrimento da resposta memorizada e não compreendida”, acrescenta esta professora de Matemática.

Só com o adequado desenvolvimento das adequadas competências, se alcançarão resultados. Ensinar a uma criança uma simples operação de adição antes de lhe fornecermos os instrumentos compreensivos, só lhe trará confusão, deceção e um sentimento de frustração que não é fácil de apagar.

Nessa medida, o trabalho que tem sido feito nas sessões do “Mentes Brilhantes” centra-se essencialmente na construção de alicerces matemáticos através de jogos, desafios, práticas e atividades interativas:

“Aqui, a tabuada não é para saber de cor, mas “de cuore”. A matemática não é informativa, mas reflexiva e compreensiva. Os números não são para aprender, mas para apreender e para brincar”, conclui Rosa Henriqueta.

O canal Matemática TV, no You Tube, com os seus pequenos e inovadores filmes, é também uma forma de dar aos pais, em casa, a possibilidade de reverem as matérias tratadas com os filhos.

O projeto “Mentes Brilhantes”, da Fundação ADFP, foi o grande vencedor do prémio Manuel António da Mota, sob o tema da inovação social, no valor de 50 mil euros, que lhe foi atribuído a 13 de Dezembro passado numa cerimónia na Alfândega do Porto.

A fundação ADFP no Infantário de Miranda, desenvolve um projeto educativo de grande qualidade com música, inglês, matemática e educação física da natação ao contacto com animais e natureza no Centro Hípico e Parque Biológico da Serra da Lousã.

Comentários