Animação de loading

Teia humana em redor do Templo, e testemunho de doente portadora

Mês do Lúpus

A Fundação ADFP de Miranda do Corvo, uniu-se às comemorações nacionais do Mês do Lúpus, com uma sessão centrada no testemunho e desmistificação de preconceitos relativos à doença, e uma iniciativa de grupo de valorização das relações humanas, chamando à atenção da fraternidade, independentemente das diferenças.

O lúpus é uma doença autoimune que pode afetar principalmente pele, articulações, rins, cérebro, mas também todos os demais órgãos. Carina Serra, secretária clínica da Residência Gratidão, portadora da doença, fez-se ouvir numa sessão aberta com a temática “(CON)viver com o Lúpus”.

Uma sessão extremamente emotiva, onde foram abordados conceitos, os tipos de lúpus e a sua origem, e ouviu-se Carina Serra referir “que o aparecimento da doença foi em 2004, quando ainda era adolescente, sendo que não foi fácil de detetar, mas entre sintomas e internamentos, lá se conseguiu chegar ao diagnóstico final." Carina Serra sublinhou que ao longo destes anos tem travado “uma dura batalha, entre sintomatologia, internamentos e mesmo um coma". Perante esta situação de coma, referiu que “foi um milagre ter acordado, minutos antes tinham dado a sentença de morte à minha família, nem os médicos têm explicação para a minha recuperação”.

Atualmente, Carina Serra trata a doença por "tu", pois aprendeu a viver com ela, apesar de todas as limitações que isto lhe traz no seu dia-a-dia, começando “a dar mais valor à vida”, e diz mesmo que “é feliz”.

No sentido de chamar à atenção para princípios como a solidariedade e fraternidade, foi organizada, no Templo Ecuménico Universalista, uma teia humana que contou com a participação de uma centena de pessoas entre técnicos, utentes do Centro de Apoio Ocupacional e Formação Profissional, membros do Conselho de Administração. A borboleta e o tom roxo – símbolo e cor do Lúpus – foram dominantes num cenário que chama à atenção pelo respeito e tolerância à diferença.

 1º Templo Ecuménico e Universalista do Mundo

Situa-se no topo da colina do Parque Biológico da Serra da Lousã, e com vistas para os concelhos circundantes de Lousã, Vila Nova de Poiares, Penela e Coimbra.

O edifício configura uma pirâmide de base quadrangular, integrada numa vasta área florestal, e com uma envolvente repleta de símbolos e representações das várias religiões. O Templo Ecuménico que representa, independentemente da fé de cada um, o espírito e a fraternidade.

Integra um Observatório das Religiões, espaço interpretativo e multimédia, das várias religiões existentes no mundo, com especial enfoque nas 15 mais representativas, onde se inclui o Ateísmo. Cada uma tem um módulo explicativo dos princípios que as rege, e um mapa-mundo onde se localiza com mais expressividade.

Gabinete Inserção Profissional Inclusivo

Iniciativa organizada pelo GIP Inclusivo da Fundação ADFP.

Este serviço presta apoio a jovens e adultos desempregados, portadores de deficiência e/ou incapacidade, no percurso de inserção ou reinserção no mercado de trabalho. Promove o acesso às oportunidades educativas e formativas e, ainda, desenvolve uma atitude empreendedora, junto dos desempregados, na abordagem ao mercado de trabalho.