Animação de loading

Residência Respeito abre verão quente e energético na Fundação ADFP

A Fundação ADFP vai abrir, durante Agosto, a Residência Respeito com capacidade para 30 pessoas com deficiência incluindo muito dependentes e/ou com doença mental grave.

Esta é a primeira realização de um conjunto de acontecimentos que revelam o ecletismo, o dinamismo e a ação complexa e plural da Fundação ADFP.

Dentro de dias será a vez do reptilário do Parque Biológico da Serra da Lousa começar a mostrar aos visitantes os seus residentes, espécimes representativos da vida selvagem portuguesa.

Proximamente a Fundação ADFP espera inaugurar a Residência Paz em Penela destinada a refugiados. Esta iniciativa assenta numa parceria entre entidades governamentais (SEF) e a Câmara Municipal de Penela, autarquia que tem revelado interesse em cooperar com a ADFP.

O Hotel Parque com 4 estrelas, quarenta quartos, só aguarda licença de utilização a emitir pela Câmara Municipal de Miranda para receber os primeiros turistas.

Na Zona Industrial a instituição acelera a construção da adega que espera poder já ter a funcionar na vindima de Setembro.

A queijaria e fumeiro continuam a aguardar licença da autarquia para começar a produzir.

Também em setembro a Fundação abrirá no Mercado um GIP (Gabinete de Integração Profissional Inclusivo), iniciativa pioneira no país, gerido por uma técnica com deficiência. No dia 11 de setembro está prevista uma cerimônia de lançamento da primeira pedra do Templo Ecuménico Universalista. É a primeira vez que na Europa se constrói um Templo com estas características e este simbolismo visando promover a tolerância e o respeito pela diferença.

Estamos perante um conjunto de iniciativas de grande interesse social e económico que criarão mais de quarenta postos de trabalho diretos.

A Fundação ADFP assinou acordo de cooperação com o Secretário de Estado da Segurança Social, para 21 utentes na nova residência para pessoas com deficiência.

Ficam ainda nove vagas sem apoio da Segurança Social, uma vez que a residência tem capacidade para 30, devido aos constrangimentos orçamentais que o País enfrenta.

O acordo desta resposta residencial para pessoas com deficiência pressupõe o encerramento de uma resposta social para 15 jovens residentes numa tipologia desadequada (lar de apoio) segundo as orientações técnicas da Segurança Social.

Treze destes jovens serão utentes da nova unidade residencial.

O investimento desta nova residência teve um custo próximo de 500 mil euros, um preço surpreendentemente baixo quando comparado com algumas residências semelhantes onde se gasta quatro vezes mais para o mesmo número de utentes.

A gestão rigorosa, com bom aproveitamento de áreas, evitando investimentos sumptuosos e desnecessários, é uma característica dos investimentos sociais da ADFP que permite que por cerca de 500 mil euros construa uma residência para trinta pessoas em vez de gastar milhões para o mesmo número de utentes. Salientamos que o gabinete de projetos da Fundação, que cria os seus projetos, tem a colaboração de engenheiras e outros colaboradores com deficiência.

A Residência Respeito, que já teve a visita inaugural do Primeiro-ministro Passos Coelho, tem grande qualidade habitacional com o devido conforto para os residentes.

Comentários