Animação de loading

Religare – Religiões e Tradições Espirituais do Mundo” livro editado pela Fundação ADFP

21 Dezembro 2022 | Social, Cultura, Serviços, Educação e Formação, Visitas, Eventos, Fundação ADFP

Foi apresentado ao público no café Santa Cruz, em Coimbra, e já se encontra à venda, o livro “Religare – Religiões e Tradições Espirituais do Mundo”, uma obra editada pela Fundação ADFP.

A obra tem direção científica e organização de Paulo Mendes Pinto, Professor e Diretor-geral Académico do Grupo Lusófona Brasil (Direção das Faculdades Lusófonas de S. Paulo, do Rio de Janeiro e da Bahia), como editor Rui Costa Oliveira e uma equipa de 9 autores especializados na temática das grandes religiões do Mundo.

“Este livro pode e deve ser recomendado pelas universidades” afirmou Saul Gomes 

Paulo Mendes Pinto sentenciou “ Nunca nos devemos esquecer que estamos sempre com o outro, matando ou amando.”

“A publicação desta obra tal como a construção do Templo visa combater o sofrimento gerado pelo ódio aos outros “ justificou Jaime Ramos.

Jaime Ramos, começou por salientar que a Fundação ADFP é uma instituição particular de solidariedade social, sem fins lucrativos, que tem como objetivos combater e prevenir o sofrimento humano. “Quer a construção do Templo Ecuménico quer a edição deste livro têm como objetivo criar uma ideologia de paz assente na tolerância e respeito para quem pensa diferente, prevenindo o sofrimento infligido pelos ódios, fanatismos ou fundamentalismos religiosos ou políticos.” “As guerras religiosas nascem da ignorância, do medo pelo que este livro é importante para nos permitir conhecer as outras religiões “

O autor do prefácio, Jaime Ramos, recordou que a construção do Templo “tem sido alvo de perseguição por parte de diversos poderes incluindo o judicial “ porque quem odeia não gosta de quem ama”.

De seguida, foi a vez de Saul António Gomes, professor associado do Departamento de História, Estudos Europeus, Arqueologia e Artes da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, que comentou esta mesma obra, referindo que “Em Portugal temos presença de inúmeras religiões desde há muitos séculos.

A mais antiga comunidade judaica no nosso país instalou-se aqui mesmo, em Coimbra.

Para termos noção da dimensão daquilo que se pratica, e daquilo que se faz em nome da religião, em Coimbra, por exemplo, existe ainda o Pátio da Inquisição, onde funcionou, a partir de 1548, o Tribunal do Santo Ofício.”

O historiador referiu ainda que “Este é um livro muito completo, pois fala das três religiões abraâmicas - cristianismo, judaísmo, e islamismo, e das tradições espirituais que as identificam, como aborda também um assunto que infelizmente ainda existe muito no mundo: a crueldade que em nome das religiões se veio a praticar ao longo dos séculos, e que é algo atroz. Em vez de se praticar o lado mais humano, o lado que aproxima as pessoas, de praticar o bem. Se não, o que são afinal as religiões?”.

Para o professor universitário “A Fundação ADFP não olha a crenças nem a nenhum aspeto do género, e por isso pratica o bem com toda a gente”, salientou.

Durante o seu discurso, Saúl Gomes informou que “Este livro engloba, portanto, 16 estudos escritos por especialistas, na área das ciências da religião, estando estruturado em três partes. Acho que faz todo o sentido que exista o Templo, uma oferta cultural em Miranda do Corvo, aqui ao lado de Coimbra, em plena zona centro, e tão importante de ser visitado.

É um livro politeísta, como o próprio Templo, não olhando às diferenças entre as diversas religiões e crenças espirituais. A religião tem uma força brutal na vida das pessoas, há uma dimensão espiritual, há uma dimensão de crença em algo superior.

Eu felicito muito todos aqueles que criaram e que contribuíram para que fosse possível este livro ser lançado. É um livro para todos os leitores, muito rico em informação, conhecimento, e por isso, é uma mais-valia.

Este livro pode e deve ser recomendado pelas universidades, na Universidade de Coimbra há uma unidade curricular que é «História das Religiões», e que cada ano tem mais sucesso e cada vez mais alunos a inscreverem-se, e este livro deveria ser obrigatoriamente recomendado, ou reconhecido, como de extrema importância para essa mesma unidade curricular.

Não nos esqueçamos: se Deus criou o homem à sua imagem, então ele tem que estar em todas as religiões, sejam elas quais forem, e mesmo que elas sejam tão diversificadas como são. Que os Deuses deste livro e da sorte vos acompanhem no sucesso deste mesmo”, finalizou.

Por último, foi a vez de se ouvir o professor Paulo Mendes Pinto dar o seu testemunho e discursar perante a plateia, tendo começado "pegando" na forma como terminou o historiador Saúl Gomes “Os Deus que nos podem dar alguma sorte, são as pessoas boas com que nos cruzamos ao longo da vida.

Antes de mais, começo por agradecer a todos autores que permitiram que este livro fosse possível.

Não sei se sabem, mas a data de lançamento da primeira pedra, e da inauguração, do Templo Ecuménico, que são no mesmo dia, não são por acaso, e tem um grande significado: 11 de setembro, o dia em que ocorreu o pior ataque terrorista em solo norte-americano matou quase três mil pessoas, em Nova Iorque. Este atentado foi concebido em prol de uma religião. 

É por isso que é tão importante existir o Observatório das Religiões, que está dentro do Templo Ecuménico Universalista.  

Nesse observatório, como neste livro, tentámos apresentar as religiões com pessoas e como pessoas dentro delas mesmas Que é no fundo o que as religiões são: são sobretudo vivências. Representam pessoas todas elas iguais a nós, mesmo que nas suas formas de ver o mundo sejam muito diferentes.”

Para além desta referência, realçou ainda que “(…) assim como é também de extrema importância o Pátio dos Gentios, que surge como ideia de debate, que é trazida a este espaço quadriculado, representando aquilo que apela o Papa emérito, Bento XVI: a promoção de um diálogo inter-religioso, aberto a ateus e agnósticos, e que por sua vez era o nome do pátio que no Templo de Jerusalém era aberto a todos”.

O Diretor-Geral Académico do Grupo Lusófona Brasil frisou ainda: “Será que então todas as religiões têm a mesma dignidade? A diversidade religiosa obriga a refletir: o que é afinal uma religião? É que cada vez mais a palavra religião está interligada à espiritualidade.”

Para além disso, evidenciou ainda que “O grupo que mais cresce atualmente no mundo são os crentes sem religião, ou seja, aqueles que não sentem a necessidade ter uma relação religiosa a uma "instituição".

“É também a Cosmovisão, ou seja, a maneira particular comos e percebe o mundo, tendo em conta as relações humanas, buscando entender questões filosóficas, a própria existência humana, sendo também um conjunto de crenças, impressões, sentimentos e conceções de natureza intuitiva, anteriores à reflexão, a respeito da época ou do mundo em que se vive”, informou.

“São as várias formas de entender o mundo, as leituras culturais, que nos vão permitir, ou não, que tenhamos diálogo, ou que tenhamos fogueiras à beira do Mondego como já tivemos no passado, ou guerras, etc.

Nunca nos devemos esquecer que estamos sempre com o outro, matando ou amando.”, Finalizou.

O livro “Religare – Religiões e Tradições do Mundo” tem prefácio escrito por Jaime Ramos; Direção científica e Organização de Paulo Mendes Pinto; Edição de Rui Costa Oliveira; Composição, Design Gráfico e Paginação de Tiago Moderno; e é da autoria de António Faria, João Ferreira Dias, Luís Ferreira Rodrigues, Maria José Rijo, Mariana Bernardo Nunes, Mariana Vital, Paulo Mendes Pinto, Rui Lomelino de Freitas, e Sofia Sousa Claro. 

“Religare” estará em breve a ser distribuído no mercado nacional, e encontra-se à venda na Loja de Artesanato do Parque Biológico da Serra da Lousã, e na Loja Online da Fundação ADFP em melhordenos.pt.

Comentários