Animação de loading

Raposa bebé no centro das atenções

Novos animais no Parque Biológico da Serra da Lousã

No passado dia 2 de Abril chegou um novo habitante ao Parque Biológico da Serra da Lousã: uma pequena raposinha com 2 meses é agora o centro das atenções no parque. Admirável é o facto de o animal ter sido apadrinhado no próprio dia por um visitante, o Sr. Luís Ferreira de São João do Estoril, que a baptizou com o nome de Octavia.


A raposa é um dos animais mais populares da literatura nacional e internacional. Todos conhecemos boas histórias e fábulas em redor da raposa e da sua reconhecida esperteza.


Na passada segunda-feira, o parque foi, uma vez mais, presenteado com um novo animal: um burro doado por um casal de ingleses residentes em Alvorge. O burro é um animal dócil e muito sociável que foi utilizado durante muito tempo como animal de carga. Hoje em dia, o auxílio destes animais nas tarefas agrícolas e no transporte caiu em desuso e este animal encontra-se em risco de extinção.


Apoie também esta causa e apadrinhe os animais! O apadrinhamento tem um custo de 60 € (sessenta euros) anuais, recebendo os padrinhos um comprovativo da sua generosidade e um livre-trânsito que lhes permitirá visitar o parque e observar o animal que apadrinhou sempre que desejar.


Estas iniciativas são muito importantes uma vez que o apadrinhamento dos animais do parque contribui para a sustentabilidade social e económica do nosso projecto, nomeadamente, a preservação de espécies autóctones e a integração social.


O parque, propriedade da Fundação ADFP – Assistência, Desenvolvimento e Formação Profissional - visa criar emprego para pessoas vítimas de deficiência, doença mental e/ou exclusão social, pelo que a contribuição dos padrinhos não é utilizada apenas como forma de proporcionar o bem-estar dos animais mas também para apoiar este inovador projecto de integração social com vertentes terapêuticas.


Deste modo, o parque constitui o local ideal para passar um dia agradável em família rodeado pela natureza, apoiando ao mesmo tempo a preservação das espécies autóctones de Portugal.

Comentários