Animação de loading

Presépio com prenda de Natal para os Lobos

No Parque Biológico da Serra da Lousã

 

Associado ao Presépio ao vivo que vai animar o Parque Biológico da Serra da Lousã os lobos receberam como prenda natalícia um aumento de área livre.

 

O Parque Biológico da Serra da Lousã procedeu ao alargamento das instalações dos lobos. Este alargamento deve-se ao casal alfa ter-se reproduzido e assim a população ter aumentado, o que leva a existir neste momento uma alcateia com cinco lobos (Canis lupus).

Trata-se de um macho adulto, duas fêmeas adultas (alfa e omega) e duas crias (ambos de sexo masculino). De salientar que as crias, nascidas a 5 de Junho, estão muito bem desenvolvidas, o que por vezes leva o visitante a não as conseguir distinguir dos adultos à primeira observação.

No momento da abertura do portão para o novo recinto, a curiosidade dos lobos foi imensa, sobretudo a das crias, pois suscitou também o seu respeito, temerosos sobre o que havia para além do portão. Neste sentido, o PBSL está a contribuir para o bem-estar dos animais, mas também a pensar no alargamento futuro do Parque. O Parque Biológico da Serra da Lousã é um espaço dinânimo, e que possui capacidade para albergar muitos mais animais, na sua Zona de Vida Selvagem, reservada para a fauna nacional.

O lobo ibérico é um carnívoro de grande porte, sendo o maior canídeo selvagem que existe na atualidade. Vive em alcateia de forte organização hierárquica e o número de animais que a constitui varia entre os 3 e 10 elementos sendo dois deles o casal reprodutor ou alfa. O seu regime alimentar baseia-se em mamíferos de médio/grande porte, e as presas podem ser selvagens como o veado e o javali ou domésticas como as ovelhas ou as cabras.

A subespécie Canis lupus signatus (Cabrera 1907) existente na Península Ibérica, possui em Portugal o estatuto de “Em Perigo”.

O Presépio ao vivo vai decorrer de 14 de Dezembro a 7 de Janeiro no Parque Biológicos, constituindo um caso único de recreação das cenas natalícias, num ambiente ligado á natureza e a vida selvagem.

Comentários