Animação de loading

Grupo do CCD da Segurança Social de Coimbra conheceu fauna e flora portuguesas

Visita ao Parque Biológico da Serra da Lousã a 2 de Abril

Um Grupo do Centro Cultural e Desportivo (CCD) da Segurança Social de Coimbra, com 59 participantes, entre crianças e adultos, visitou o Parque Biológico da Serra da Lousã, num passeio que permitiu conhecer um pouco da fauna e flora portuguesas, no dia de Abril.


A encabeçar o grupo, o presidente da Direcção do CCD, António José Monteiro Rodrigues dos Santos, a suplente Graça Maria e o vogal Nuno Matos.


O passeio permitiu ao grupo conhecer nomeadamente javalis, veados, muflões, gamos, raposas, aves de rapina, árvores de fruto, animais domésticos, assim como várias raças de vacas, ovelhas, cabras e aves. Para além da vida animal e vegetal, os visitantes puderam também observar engenhos de rega ancestrais e assistir de perto às artes das oficinas de olaria, vime e tecelagem.


O CCD é uma associação cultural, desportiva e recreativa dos trabalhadores da Segurança Social de Coimbra, criada em 1962 pelos empregados da Caixa de Previdência do distrito de Coimbra, com a designação de CAT (Centro de Alegria no Trabalho) que, em 1975, tomou a designação de CCD, abarcando os trabalhadores da Caixa de Previdência e Abono de família do distrito. Em 1988 a Assembleia Geral mudou os estatutos e a designação para a actual, sendo o CCD constituído por associados honorários, efectivos e auxiliares que sejam trabalhadores da segurança social do distrito de Coimbra ou cidadãos por estes aceites em assembleia-geral.


As finalidades do CCD são de natureza cultural, desportiva, recreativa e económico-social, e visam quer o aproveitamento dos tempos livres dos associados e seus familiares, quer o apoio geral que o centro seja capaz de proporcionar aos seus associados.


O Parque Biológico da Serra da Lousã (www.parquebiologicodaserradalousa.net), situado na Quinta da Paiva em Miranda do Corvo, constitui um espaço que visa a sensibilização da comunidade em geral (alunos, cidadãos anónimos, entidades públicas ou privadas) para a protecção de habitats (florestas, matos, rios) e respectiva fauna e flora autóctones ou seja, animais e plantas originais do espaço português).


Foi neste início de Primavera que as escolas retomaram as visitas ao Parque, aproveitando um dos vários pacotes que este tem para oferecer, e usufruindo da informação que os guias têm para oferecer durante o decurso da visita. Para além de visitas, são também realizadas festas de aniversário, que incluem variadíssimas actividades a serem realizadas (escolhidas previamente) pelos convidados.
A entidade proprietária do Parque é a Fundação ADFP, instituição de solidariedade social, sem fins lucrativos, muitas vezes elogiada pelas boas práticas na integração de diferentes grupos e no convívio inter-gerações.

Comentários