Animação de loading

Fundação ADFP quer criar pastorícia na Serra da Lousã / Desafio a jovens técnicos á procura de emprego

Emprego para deficientes, excluídos e desempregados de longa duração

Um negócio sustentável de pastorícia na Serra da Lousã, com o objectivo de criar emprego para pessoas portadoras de deficiência, vítimas de exclusão social e empregados de longa duração é uma das metas da Fundação ADFP.


Foram vários os contactos da IPSS de Miranda do Corvo com o anterior governo no sentido de encontrar formas de cooperação neste projecto, a começar pelo Secretário de Estado das Florestas e Desenvolvimento Rural.


Recordamos que o anterior Governo tinha publicitado a vontade de colocar desempregados nas florestas.


O Governo anterior designou o Eng.º Amândio Torres, presidente da Autoridade Florestal Nacional (AFN) para prosseguir os contactos, tendo este promovido uma reunião com representantes da Direcção Regional da Agricultura da Beira Litoral, da Direcção Geral de Veterinária e da própria AFN.
A criação de uma área definida de cercado na Serra da Lousã para pastoreio, o estabelecimento de critérios zootécnicos para colocação de espécie, o aproveitamento dos produtos com base nesses critérios e a escolha de área para implementação do projecto, foram os pontos debatidos.


A Fundação ADFP acredita que urge aproveitar alguns hectares em posse da Autoridade Florestal Nacional que continuam desperdiçados na Serra da Lousã e que devem ser destinados ao aproveitamento da floresta numa lógica de uso múltiplo.


Para implementação de um acordo de cooperação estava prevista a visita de Mestre Rui Pedro Barreto, Secretario de Estado, a 12 de Maio, a qual não veio a acontecer devido à crise política e às eleições antecipadas. Entretanto, a Fundação ADFP já encetou por carta contactos com o novo governo, com vista à resolução do problema.


A Fundação ADFP acredita que se pode desenvolver projectos no sector agrícola que criem emprego sustentável vocacionado par pessoas desempregadas e excluídas do mercado de trabalho.


A ADFP tem vindo adquirir alguns terrenos com vinha, destinados a desenvolver uma marca própria de vinho, e estuda a possibilidade de criar uma unidade de produção de mel, com um projecto para 200 a 300 colmeias a instalar na região, bem como a criação de porcos, javalis ou veados em regime semi-extensivo, para a qual já se adquiriram alguns terrenos. A ADFP continua com vontade de adquirir mais alguns terrenos de vocação agrícola ou florestal no concelho de Miranda ou municípios vizinhos.
Estes projectos só poderão ser desenvolvidos se houver alguns apoios ao investimento permitindo a criação de postos de trabalho.


A ADFP vai seleccionar jovens técnicos que queiram desenvolver estes projectos, que apresentem boas ideias para o sector agro pecuário e que mostrem ter motivação e capacidade de concretização.
Os interessados devem enviar o seu curriculum acompanhados de ideias para o desenvolvimento destas áreas da ADFP.

Comentários