Animação de loading

Cerimonia de lançamento da primeira pedra do Hospital Compaixão: Hospital dos vales do Ceira e Dueça/Corvo, inauguração de piscina de hidroterapia e sala de ginástica

Dia 5 de Junho, 11H30

A Fundação ADFP – Assistência, Desenvolvimento e Formação Profissional de Miranda do Corvo, irá dar início à empreitada de construção do Hospital Compaixão, em terrenos do Centro Social Comunitário, com acesso pela Alameda das Moitas em Miranda do Corvo, sendo o lançamento da 1ª pedra no dia 5 de Junho pelas 11e 30h.


Concorreram a esta empreitada 25 empresas, algumas das maiores a nível nacional, das várias regiões do País. Salientamos : Somague - Engenharia, S. A.


Sociedade de Construções Soares da Costa, S. A., Lena - Engenharia e Construções, S. A., Construtora San José, S. A. (Pontevedra), Isidovias - Investimentos, Lda., Odraude- Construção Civil e Obras Públicas, Lda., entre outras.


O valor das propostas variaram entre os 3.648.679,05€ e os 4 687 000.00€.


A proposta, economicamente mais vantajosa, foi a da empresa, Odraude - Construção Civil e Obras Públicas no valor de 3 820 000.00 €


O Hospital localizar-se-á, num terreno com a área de 9 819.00 m², anexo ao Centro Social Comunitário Dr. Jaime Ramos, complexo com área total de 40.000 m² e onde já existem serviços de saúde nomeadamente Clínica de Medicina Física e de Reabilitação e duas unidades de Cuidados Continuados de Longa e Média Duração.


Este conjunto social integra um vasto número de infraestruturas, onde vivem cerca de 290 pessoas (crianças, jovens, adultos com doença mental e/ou deficiência e idosos) numa aposta no convívio intergerações e na inclusão de pessoas com necessidades especiais.


Esta iniciativa da ADFP tem como objetivo dotar Miranda do Corvo e os concelhos vizinhos de valências médicas e cirúrgicas com a possibilidade de realização de exames auxiliares de diagnóstico.


O Hospital é um investimento destinado a promover a qualidade de vida, o bem-estar e saúde na sua área de influência criando emprego especializado e reforçando a coesão social do território.


O Hospital Compaixão terá uma área de implantação de 1 746.00 m² e uma área de construção de 4 225.98 m² distribuída por três pisos.


A unidade de saúde será constituída, por um bloco operatório, com duas salas de cirurgia, área de urgência, sector de ambulatório, incluindo exames auxiliares de diagnóstico, consultas externas e internamento (55 camas).


A área de exames complementares de diagnóstico por imagem incluirá tomografia axial computorizada (TAC), ecografia, radiologia geral, cardiologia, pneumologia e patologia clinica (análises clinicas).


Estão previstos 257 de lugares de estacionamento, 60 públicos e 197 privados que servirão os doentes, visitantes e funcionários.


Este investimento tem uma previsão de custo final superior a 7 milhões de euros. A Câmara Municipal concederá um apoio de 550 mil euros para a construção civil e 250 mil euros para o equipamento que será já colocado em fase de obra incluindo PT (posto de transformação, já instalado) todo o equipamento de AVAC (Aquecimento, Ventilação e Ar Condicionado) e SCI (Segurança Contra o Risco de Incêndios).


Este projeto foi elaborado pelo Gabinete de Engenharia e Património da Fundação ADFP, onde estão integrados colaboradores com necessidades especiais. Esta equipa liderada pela Eng.ª Gabriela Costa Andrade teve ainda o apoio externo de áreas especializadas de engenharia nomeadamente eletrotecnia, eletromecânica e ar condicionado. A equipa técnica projetista é liderada pela Eng.ª Maria Gabriela Costa Andrade Morais que trabalha há 25 anos na ADFP e foi também responsável pelo s projetos do Hotel Parque 4*, Ecomuseu Espaço da Mente, vários lares e residências para crianças, jovens, deficientes, idosos e doentes mentais e pelo projeto do Templo Ecuménico Universalista. O arquiteto da equipa é André Pimentel.


Salientamos que na equipa técnica estão incluídas pessoas com necessidades especiais, deficiência e/ou doença mental o que a torna única no contexto nacional.


O Hospital Compaixão traduz o maior investimento privado, de interesse público, realizado no concelho de Miranda do Corvo desde a construção do Convento de Semide iniciado no séc. XII.


A previsão para a conclusão do investimento aponta para 2018.


A primeira pedra vai ser lançada ainda sem a Câmara Municipal ter aprovado o projeto.


Em todas as fases de apreciação do processo a Camara Municipal ultrapassou os prazos legais, criando demoras injustificáveis neste processo.


O projeto final de arquitetura ,já depois de vários ante projetos apreciados pela câmara e por outras entidades, foi entregue em 2014.06.26! Após a demorada aprovação da arquitetura a fundação entregou projetos de especialidades em 2015-12-03 e até ao momento a Câmara ainda não aprovou o projeto…!


Perante estes impasses e entraves administrativos decidiu a Fundação ADFP realizar o concurso público, adjudicar a obra e lançar a primeira pedra...


Com este investimento a Fundação ADFP reforça a sua vocação na área assistencial e de desenvolvimento regional.


A Fundação ADFP, Assistência, Desenvolvimento e Formação Profissional assume, para além do seu papel caritativo de solidariedade, uma visão de promoção de valores civilizacionais humanistas razão porque atribui as suas unidades residenciais nomes como: liberdade, fraternidade, igualdade, bondade, esperança, gratidão, respeito, coragem...


O nome Compaixão atribuído ao futuro Hospital insere-se na vocação da Fundação de assumir publicamente que as pessoas precisam de resposta às suas necessidades básicas, "biológicas", mas que nunca se deve perder a dimensão humana e espiritual da pessoa que necessita de apoio social ou de saúde.


Este é o investimento de maior risco lançado pela Fundação ADFP que acredita que, em cooperação com os hospitais de Mealhada, Oliveira do Hospital e de Avelar/Ansião, se criará uma rede regional de saúde, sem fins lucrativos, que complementará o SNS e ajudará a solucionar as insuficiências do Serviço Nacional de Saúde.


Esta rede de 4 hospitais sem fins lucrativos ao redor de Coimbra cria uma cintura que apoiara o Estado na criação de um SNS com maior capacidade de responder com qualidade, bondade e compaixão, as necessidades dos doentes.


A Fundação ADFP sabe que o sector da economia social, sem fins lucrativos, pode e deve estimular parcerias com o Estado a nível da saúde, serviço social e educação/formação profissional entre outras áreas.



Piscina de hidroterapia e novas salas de ginásio.


Um melhor serviço ao dispor da Comunidade e Doentes.

A Fundação ADFP-Assistência, Desenvolvimento e Formação Profissional, com o objetivo de proporcionar um melhor serviço à comunidade e aos seus utentes acaba de concluir a obra de construção de novas sala para ginástica e remodelação da piscina e balneários num montante de 51 000.00 €.


O Centro Social Comunitário da Fundação possuiu a primeira piscina aquecida do concelho.


A construção das piscinas aquecidas e cobertas da autarquia na vila e as piscinas ao ar livre em Miranda, Vila Nova e Semide e Parque de Lazer da Quinta da Paiva levou a uma redundância que conduziu ao encerramento das antigas piscinas da fundação ADFP. Não se justificava uma segunda piscina aquecida na vila de Miranda pelo que a ADFP encerrou a sua piscina.


A atual piscina de hidroterapia e reabilitação ocupa cerca de 1/3 as dimensões da piscina inicial, tornando-a num tanque aquecido, mais pequeno e mais funcional à pratica da hidroterapia, permitindo uma maior racionalização dos consumos energéticos.


Junto á nova piscina de reabilitação existe um dispositivo de elevação para colocação e remoção dos doentes, um pequeno ginásio complementar para prática pilatos e mecanoterapia e ainda balneários renovados adaptados às necessidades dos utentes.


O Ginásio do Health Club “InForma” e a Clinica de MFR, Medicina Física e Reabilitação, da Fundação tem desempenhado um importante papel complementando as respostas do SNS e contribuindo para a melhoria da qualidade de vida das pessoas do concelho.


A inauguração desta obra será as 11h de domingo.


A Visita inaugural da piscina /ginásio e lançamento da primeira pedra do Hospital Compaixão, integra um programa diversificado onde se inclui as comemorações da abertura do Parque Biológico assumindo se a Fundação como um grande motor de desenvolvimento do concelho e da região.

Comentários