Animação de loading

A luta pela devolução do Tesouro de Chão de Lamas vai continuar

Universidade Sénior da Fundação ADFP volta à carga contra o Estado espanhol

Ruínas descobertas em Chão de lamas exigem que se insista para que Espanha devolva o Tesouro que deve ser exposto em Portugal


A Universidade Sénior da Fundação ADFP, de Miranda do Corvo, vai voltar a reclamar perante as autoridades portuguesas e espanholas a devolução do Tesouro de Chão de Lamas.


Um novo Governo, novo responsável pela Cultura e um Ministro dos Negócios Estrangeiros com reconhecida capacidade política, como é Paulo Portas, é fonte de esperança para a universidade sénior da fundação ADFP.


Este tesouro de valor incalculável foi descoberto no concelho de Miranda do Corvo em 1913. Composto por peças que remontam aos séculos I e II antes de Cristo, o Tesouro de Chão de Lamas foi vendido, peça por peça, a um ourives de Coimbra, pelo proprietário das terras onde foi descoberto. Encontra-se neste momento no Museu Arqueológico de Madrid, exposto numa das suas salas principais, a Sala do Tesouro.


A recente descoberta de ruínas romanas em Chão de Lamas, na freguesia de Lamas, em 2011, vieram reforçar a ideia de que este tesouro faz parte do património cultural de Miranda do Corvo e, consequentemente, de Portugal.


O Tesouro de Chão de Lamas está relacionado com a existência deste antigo povoamento agora descoberto durante a construção do IC 3, Coimbra Tomar.


Depois de conversar com a Diretora do Museu Arqueológico de Madrid, o Dr. Luís Raposo (Diretor do Museu de Arqueologia de Lisboa) afirmou que este tesouro “não é uma peça central” nas coleções daquele museu madrileno, “dependendo apenas das vontades políticas” e, neste sentido, faz todo o sentido que se relembre a necessidade de pôr esta questão na agenda diplomática do Ministério dos Negócios Estrangeiros.


No Ano Europeu do Envelhecimento Ativo, este grupo de alunos quer mostrar que está empenhado em questões de cidadania e a reivindicação deste tesouro que faz parte do património português é disso exemplo.
 

Recordamos que uma delegação da Universidade Senior, com quase 50 pessoas, já se deslocou a Madrid para exigir a devolução deste património português.

Comentários