Animação de loading

“Por favor critiquem-nos” apelo da Fundação ADFP

Nova campanha da Fundação ADFP apela a todos

“Por favor critiquem-nos” é mais uma iniciativa da Fundação ADFP, de Miranda do Corvo, que surge de um processo de reflexão colectiva e pretende provocar a comunidade, os colaboradores, utentes e amigos, a criticar aspectos de funcionamento da organização e que assim poderão ser melhorados.

Ao longo dos últimos anos, a Fundação tem feito vários convites e lanças campanhas a solicitar novas ideias e sugestões e muitas das contribuições dadas pelos colaboradores, utentes, familiares e amigos têm sido importantes para a melhoria dos serviços existentes e criação de novas iniciativas.

A nova aposta abre-se agora a toda a comunidade, da parte de uma instituição com quase 26 anos de vida, que tem sido uma das Instituições Privadas de Solidariedade Social mais inovadoras do país.

Esta capacidade de inventar caminhos tem sido a razão de, embora localizada num pequeno concelho do pinhal interior, ser frequentemente referenciada como exemplo de boas práticas por entidades públicas e privadas, nacionais e mesmo estrangeiras.

A Fundação ADFP é uma IPSS que aposta no convívio intergerações, integração de pessoas “especiais” e na inclusão de pessoas habitualmente marginalizadas.

Nas suas Residências habitam quase 400 pessoas, desde bebés a muito idosos, incluindo pessoas com doença crónica, deficiência ou doença mental grave. O lema da instituição mirandense é investir em pessoas, com bondade, não se limitando à assistência social e tendo como objectivo o desenvolvimento local e regional.

A Fundação recusa fechar-se sobre si própria e insiste na abertura ao exterior arejando os seus métodos de intervenção. 

Sendo uma organização que cria valor econômico diferencia-se pela aposta no reforço do humanismo através do fortalecimento de valores civilizacionais evidenciados na designação das suas residências: esperança, coragem, ternura, igualdade, fraternidade, respeito, bondade, sabedoria, gratidão, Cristo Redentor e Cruz Branca.

Comentários